Arte Bizantina – Mosaico, pintura, arquitetura e esculturas

A arte bizantina é uma expressão cultural e artística que ascendeu juntamente com a religião cristã. De início, retratava imagens de referência divina, mas ao longo do tempo tornou-se modelo para outras manifestações.

Essa arte trás literalmente referências das cavernas, pois, foi na paleocristã, pinturas e desenhos em sepulcros e catacumbas, que ela encontrou inspiração para ser a manifestação artística religiosa grandiosa como foi.

mosaico-bizantino

Na arquitetura, em pinturas, esculturas, ou mosaicos com elementos Greco-romano e oriental, além de cores chamativas, é onde essa arte se faz mais presente.

Mas o que é realmente a arte bizantina? Quais são as suas características e história? Confira a seguir, nesse texto, mais detalhes sobre essa tendência artística. Veja:

A origem do estilo

Para entender sobre a arte bizantina, temos que voltar um pouco no tempo. Isso porque, no século IV alguns conflitos entre política e igreja, invasões nas fronteiras, fizeram com que a capital do Império Romano mudasse de local.

Com isso, a cidade grega Bizâncio se tornou a nova capital do império, e no ano de 330 foi rebatizada de Constantinopla. É também conhecida como a capital da Cristandade, pois teve papel primordial no crescimento do cristianismo na Europa e no mundo.

Logo, a cidade também foi berço de obras-primas na arquitetura e, consequentemente, em esculturas que remetiam ao sagrado, como a catedral ortodoxa de santa Sofia, por exemplo.

Desde então, os artistas foram expandindo a arte em pinturas e mosaicos que expressavam cores e imagens santas para adoração dos religiosos. Confira agora como a arte bizantina se manifestava.

Características da arte bizantina

A arte bizantina recebeu forte influencia Greco-romana justamente por ter nascido na Grécia, mas também agregou elementos de cidades do oriente como Síria e Ásia menor.

Essas regiões já conheciam as manifestações do período paleocristão, pinturas e desenhos em túmulos antigos, o que influenciou, juntamente com o surgimento do cristianismo, a impressão das características santas nessa arte.

Veremos a seguir os segmentos onde a arte mais se destacou ao longo do Império Bizantino.

Arquitetura

A arquitetura na arte bizantina destacou-se em construções de catedrais e igrejas, como citamos anteriormente. Suas características principais eram a presença de grandes colunas externas feitas torres, além das pinturas sagradas internas, contendo ainda grandes janelas decoradas com belos e coloridos mosaicos.

Cúpulas e projeções arredondadas também fazem parte da arte na arquitetura de ambientes sagrados, da região Greco-romana e do oriente que futuramente expandiu em outros locais.

arte-bizantina-arquitetura
Basílica de Santa Sofia

Podemos tomar a Basílica de Santa Sofia como um exemplo da arquitetura bizantina. Construída entre os anos de 532 e 537 pelo Império Bizantino, sua função era a de ser a catedral de Constantinopla. Localizada em Istambul na Turquia, a basílica é o maior símbolo da arquitetura na arte bizantina, e declarado patrimônio mundial pela UNESCO.

Esculturas

As esculturas bizantinas eram feitas em alto-relevo no marfim, expressando uniformidade de cores na representação sacra.

arte-bizantina-escultura
Escultura dos apóstolos, localizada na Catedral de Santiago de Compostela.

As esculturas eram pouco exploradas, pois, remetia as estátuas que eram ligadas à cultura pagã. Com isso, esse tipo de artefato era produzido como pequenos painéis.

Pinturas

Presentes nas igrejas, em paredes, ou miniaturas para livros, bem como painéis sempre reverenciando a figura cristã. No entanto, a pintura na arte bizantina não foi bem reconhecida, devido ao período da iconoclastia, contestação dos ícones religiosos.

arte-bizantina-pintura
Pintura: Cristo Pantocrator, localizado no Mosteiro de Dafne, na Grécia.

Arte bizantina – Mosaico

Assim como a arquitetura, o mosaico é um dos principais elementos da arte bizantina. Sua principal característica é a presença do ouro, além de ilustrar as principais cenas da via sacra de cristo, bem como a espiritualidade.

Fazem parte do mosaico bizâncio não só o ouro, mas também cores vivas e formas geométricas feitas por pedaços de pedras, técnica oriunda da Grécia.

arte-bizantina-mosaico
Mosaico – Representação do Imperador Justiniano

As pedrinhas eram coladas na parede e o desenho formava a imagem santa ou do imperador, Justiniano (526 a 565), governante da época considerada Era de Ouro do Império Bizantino.

A crise da iconoclastia

Enquanto que no século IV a arte bizantina encontrou no cristianismo forças e incentivos para ascender, e no século V encontrou a sua glória, teve que passar pela crise da iconoclastia após isso.

A iconoclastia foi um movimento liderado pelo imperador Leão III, em 730. Adorar ou reverenciar imagens santas era proibido. Com isso, diversas obras, mosaicos e imagens foram destruídas por quem concordava com os dogmas do imperador.

A censura da arte

Durante a iconoclastia, quem era contra as decisões do imperador sofria as consequências. Dessa forma, a produção artística bizantina caiu muito, só voltando após muitos anos de quebras e renovações de acordos entre imperadores e membros do clérigo.

As artes visuais que imprimiam a simbologia da igreja e dos santos, retratada pela arte bizantina voltou a fazer parte da ornamentação dos ambientes religiosos ainda no século IX, e até o fim do Império Bizantino.

O legado da arte bizantina

Sem dúvidas, a arte bizantina deixou um legado apesar dos diversos combates entre imperadores, igreja, povos, e culturas. Mas nem mesmo a crise da iconoclastia foi capaz de extinguir um movimento tão antigo, nascido das origens espirituais e do sacrossanto.

Onde os gregos utilizavam da técnica de colagem de pedrinhas coloridas, para a formação de mosaicos decorativos, essa arte transformou em algo realmente sagrado. Mais do que decoração, a arte bizantina foi um meio instrutivo e símbolo de resistência que serve como inspiração para outros movimentos artísticos, assim como para outros aspectos da vida.

Muitas dessas obras podem ser vistas e admiradas no Museu Bizantino e Cristão, localizado em Atenas, na Grécia, inaugurado em 1914.